Andar na 'banguela' economiza?


    Já faz uns 20 anos que a injeção eletrônica se popularizou no Brasil. Antes disso, cabia ao carburador a função de "alimentar" o motor. Numa descida, deixar o câmbio em ponto morto fazia com que o motor trabalhasse em marcha lenta. Consequentemente, o consumo era menor, no caso desses carros carburados.

    Essa prática não é nada segura e já não faz mais sentido do ponto de vista da economia. Acontece que, nos motores com injeção eletrônica, o combustível para de ser injetado ao descer engrenado numa descida.

    O próprio movimento das rodas faz com que o motor continue girando, sem a necessidade de uma gotinha qualquer de combustível.


    Por Felipe Carvalho

    Fonte: UOL